Transformação digital Transformação digital

Transformação digital: qual a importância e quais são seus maiores impactos?

17 minutes to read

O termo “transformação digital” já é comum na maioria das conversas dentro do meio corporativo, mas ainda existe muita dúvida sobre seus conceitos, suas indicações de investimento e suas implicações práticas.

Nossa ideia com este artigo é fornecer a você um guia completo sobre o assunto! Vamos definir tudo o que o termo significa e discutir o que leva a transformação digital a se tornar uma necessidade de sobrevivência no futuro e como começar esse processo na sua empresa. Acompanhe!

O que é transformação digital?

Para iniciar esta nossa conversa, podemos encontrar nas mudanças recentes da tecnologia, como ela se tornou um agente catalisador de uma revolução.

Da infância da informática até a popularização da internet, as soluções tecnológicas passaram a ser um grande suporte para gestão e produção corporativa.

Ou seja, até então, a computação era uma ferramenta. Um editor de planilhas era muito mais rápido e eficiente para o trabalho do que fazer à mão. A troca de e-mails era mais simples do que uma sequência de ligações telefônicas. A conferência de contas demorava muito menos com programas de contabilidade.

Porém, adotar esse tipo de solução nunca tornou uma empresa verdadeiramente digital. Em sua essência, todos os negócios permaneciam os mesmos, apenas com processos facilitados.

A verdadeira revolução não vem de técnicas, mas de paradigmas. E essa nova cultura no mundo inteiro só começou a ser viável com a popularização da cloud computing.

Novamente, a questão não é a tecnologia em si, mas o que ela proporciona. Desde que se tornou possível investir em computação, armazenamento e arquitetura da informação remotamente, o mercado abriu para as empresas um universo novo e inexplorado de gestão baseada em dados.

Hoje, mesmo uma startup com um mês de atividade tem mais acesso a indicadores, valores e informações de negócio do que gigantes globais teriam vinte anos atrás.

Não apenas isso: elas têm as ferramentas necessárias para integrar e analisar essas informações de maneiras ricas e segmentadas, conseguindo insights importantes para decisões de negócio.

Para as empresas maiores, então, esse poder aumenta exponencialmente. Elas têm acesso ao Big Data, que é a capacidade de armazenamento e análise de um volume de dados com que seria impossível de lidar manualmente e impensável em um passado próximo.

Vamos falar mais detalhadamente sobre o impacto disso ao longo do texto, mas o próprio conceito demonstra que esse é um ponto-chave de sobrevivência para o futuro.

É uma verdadeira transformação. O cenário projetado é de negócios capazes de prever e se adaptar ao mercado com muito mais facilidade, identificando oportunidades e solucionando problemas com ajuda da tecnologia.

Se a TI era um suporte, hoje, ela é o núcleo das novas estratégias. Uma empresa digital não é somente aquela que usa softwares produtivos, mas a que consegue usar dados e processos automatizados como fonte de inteligência e eficiência.

Os pilares da transformação digital

Para que você tenha uma ideia melhor desse cenário, vamos dividir a transformação digital em suas partes principais.

Como dissemos, não é questão apenas de armazenar mais informações, ter processos ágeis ou colaboração remota em tempo real. Ela é a junção dessas e outras possibilidades dentro de um contexto mais amplo de administração. Veja seus pilares!

Transformação de modelos de negócio

Uma empresa transformada digitalmente é muito mais do que a soma de suas soluções tecnológicas. Existe uma visão ampla de gestão, mercado e público capaz de unir ferramentas, metodologias e processos em novos modelos de negócio.

As startups são exemplos disso: empresas altamente adaptáveis que conseguem encontrar e se adequar a nichos com foco em disrupção.

Muitas companhias maiores ainda têm dificuldade em entender o poder desse tipo de mindset dentro de sua organização corporativa. Quando essa chave é virada, há, realmente, uma revolução.

Unindo o poder de investimento e alcance de uma grande empresa com a relação íntima de uma startup com dados e tecnologia, o cenário é perfeito para se destacar.

Transformação de produtividade

É claro que não podemos deixar de apontar o potencial da transformação digital em revolucionar a produtividade de um negócio.

O foco é colaboração, integração e automação de processos. Um sistema integrado, como um ERP, quando bem-adaptado a essas demandas na sua empresa, pode criar caminhos produtivos nunca antes pensados.

A ideia é aproximar e alinhar departamentos, tarefas, responsabilidades — tudo isso com lideranças mais presentes e eficientes. É o pilar responsável por reduzir custos e economizar tempo e esforço de todos os colaboradores.

Transformação de experiências

A tecnologia aplicada dessa forma não é apenas importante para o trabalho interno da empresa. Seus frutos podem ser colhidos como novas experiências para o público.

Independentemente do produto ou serviço, a transformação digital traz novas ideias e caminhos. A digitalização, por si só, é uma maneira de estar mais presente na vida das pessoas e fazer entregas mais satisfatórias.

Além disso, o próprio fato de trabalhar com Big Data permite que um negócio conheça mais a fundo cada um de seus clientes e customize experiências de acordo com suas expectativas.

É uma soma entre enorme poder de alcance e maleabilidade que nunca foi possível no mundo corporativo. Por isso, há tanto peso na palavra “transformação”. A tecnologia gera um novo normal — um mercado em que todos terão oportunidade de se consolidar.

Por que a transformação digital é necessária?

Não há nenhum exagero em falar sobre transformação digital como uma necessidade de sobrevivência no futuro. Essa é uma noção que finalmente está se consolidando na mente da maioria dos tomadores de decisão em empresas pelo mundo.

Mas, para passar por ela de forma objetiva e positiva, primeiro, é preciso entender exatamente o que esse processo traz de tão vantajoso para incentivar uma migração em massa.

Então, vamos analisar mais de perto o que o foco em soluções integradas de tecnologia acrescenta para um negócio de modo a justificar sua preparação desde já.

Usar inteligência de negócio como diferencial competitivo

Como já notamos, o mercado mundial está passando por uma mudança de foco: da busca de públicos generalistas para uma aposta em profundidade de relacionamentos e consolidação em nichos.

É uma maneira muito mais eficiente de se posicionar como marca e que só não foi abraçada anteriormente pelo mercado porque não havia as ferramentas necessárias para tal.

Hoje, já é viável usar dados em grandes volumes para ganhar em inteligência de negócio, segmentando-os e cruzando-os como nunca. 

Essa novidade aponta caminhos ainda não desbravados, o que significa uma vantagem enorme para quem começar a trilha mais cedo.

Priorizar a otimização

Outra mudança de paradigma nas grandes empresas tem a ver com o que faz uma organização crescer em market share e lucro. O modelo de expansão constante não é mais, necessariamente, a melhor estratégia.

Empresas do mundo inteiro estão usando a transformação digital para crescer por meio da otimização.

As ferramentas e processos atrelados ao conceito permitem o encurtamento de cadeias produtivas e a eliminação de limites físicos e manuais dentro de uma rotina de escritório. Além disso, há a possibilidade de tornar uma série de burocracias operacionais obsoleta.

O ganho nesse sentido é em duas pontas: de um lado, há a economia de recursos para o mesmo volume de trabalho; de outro, a instituição ganha flexibilidade para se adaptar mais rápido a mudanças de mercado. Mesmo os grandes players conseguem se tornar mais leves e eficientes.

Aumentar a produtividade

Eficiência, claro, tem muito a ver com desempenho. Esse encurtamento da cadeia produtiva permite uma aproximação e colaboração maior entre departamentos. Isso, sem contar a descentralização das tomadas de decisão, que podem ser alinhadas em tempo real remotamente.

É uma tranquilidade a mais para gestores que querem delegar sem perder o controle das decisões mais importantes.

Empoderar colaboradores

A estrutura empresarial no mundo que existirá após a transformação digital é muito menos engessada e cardeal do que modelos mais tradicionais. O organograma deixa de ser apenas vertical e horizontal para virar uma verdadeira rede de colaboração.

A integração de grandes volumes de dados (por meio de um ERP, por exemplo) coloca todos os colaboradores na mesma página — com visão maior sobre seu trabalho e sobre como ele afeta toda a cadeia produtiva.

Isso dá mais liberdade para que eles microgerenciem tarefas, ajustem ferramentas e se unam em objetivos mais coesos. A empresa do futuro precisa de todos os seus profissionais buscando o melhor de cada um.

Incentivar a inovação

Um negócio apoiado na tecnologia e com colaboradores motivados e empoderados, processos otimizados e liderança baseada em dados. Essa é a fórmula perfeita para ser competitivo nesta nova era.

É esse tipo de ambiente que gera espontaneamente uma cultura de inovação. São colaboradores e gestores trabalhando juntos para encontrar novos caminhos, novas experiências, novas entregas. Sem isso, vai ser muito difícil manter-se na corrida pela ponta do mercado.

Quais são os maiores impactos da transformação digital?

Agora que conversamos sobre a influência que a transformação digital pode ter na sua empresa, vamos abrir ainda mais esse campo de visão.

Afinal, o seu negócio está inserido em um momento único de transição. É difícil encontrar, na história, uma tecnologia que tenha mudado tão drástica e rapidamente o mundo como o avanço da internet.

Veja o que isso pode significar para o mercado e para nossas vidas como um todo.

A transformação digital na sociedade

O que muda neste momento, principalmente para as pessoas, é a expectativa delas em relação ao que consomem e a como consomem.

A transformação digital cria um foco muito grande no aprofundamento de conexões entre clientes e marcas, com alta customização de entrega e experiências adaptadas ao conhecimento que empresas têm de seus clientes.

Nesse sentido, exige-se cada vez mais que intermediários sejam cortados e que toda interação entre consumidor e marca seja instantânea — como o cliente quer, na hora que ele quer.

Parece apenas uma questão mercadológica, mas essa mudança pode provocar ondas em nossa cultura. A forma como consumimos produtos, serviços e entretenimento é o que molda como nos organizamos socialmente.

Se a tecnologia permite uma revolução nessas relações, não é nem um pouco ousado imaginar que ela terá impacto até mesmo em como vamos nos estruturar coletivamente no futuro.

A transformação digital nas empresas

A grande consequência de uma transformação cultural é a necessidade imediata de adequação do mercado. Empresas de qualquer setor têm como objetivo, no fim, atender e superar as expectativas dos seus clientes.

Portanto, a tendência é que o abismo entre a transformação digital na sociedade e a falta dela em um negócio se torne fatal com o tempo. Portanto, este não é um luxo competitivo ou um caminho estratégico a ser analisado. É uma necessidade que, como tal, precisa ser abordada o quanto antes.

Para o mundo corporativo, a corrida já começou, e é cada vez mais difícil recuperar-se com relação aos concorrentes que já correm há algum tempo.

Felizmente, esta não é uma disputa de tiro curto. Quem se prepara e migra para sistemas integrados de maneira inteligente ainda tem como brigar pela ponta. Mas essa janela está se fechando cada vez mais.

Quais são os maiores desafios da transformação digital?

Em seu núcleo, a transformação digital não é um processo complexo ou caro. Exige, sim, foco e planejamento, mas, com a nossa conversa no último tópico deste texto, vai ficar claro como esse processo se dá.

Então, por que, mesmo assim, muitas empresas ainda não iniciaram sua transição para novos modelos de gestão e produtividade?

Essa pergunta é o centro da discussão que podemos ter sobre os desafios da digitalização. Veja quais são os maiores e por que eles atrapalham tanto o caminho de um negócio rumo a uma nova era de mercado.

Hesitação e relutância

A verdade é que muitos profissionais de níveis mais altos de decisão ainda estão relutantes quanto à necessidade de dar esse passo em direção à transformação digital.

Existe até um certo apego excessivo a modelos tradicionais de fazer negócio, algo que não combina com empresas que querem se manter competitivas por longos períodos.

Se você se identifica como um desses, esperamos que este texto seja um alerta. Se eles estiverem à sua volta, é hora de usar seu poder de convencimento para trazer toda a diretoria a bordo de um navio que não navega mais em círculos.

Falta de conhecimento sobre o assunto

Muito da hesitação de profissionais vem da falta de informação. Não é comum vermos pessoas bem-instruídas e criativas ficarem paralisadas pela simples ideia de incluir tecnologia em suas rotinas produtivas.

Quando a empresa investe em conhecimento para todos os trabalhadores, ela abre portas e demonstra como a transformação digital simplifica.

As ferramentas e os sistemas atrelados a ela vão cortar processos, agilizar tarefas, diminuir gastos com recursos. É um ganho para todos, mas não é para todos que a lógica é óbvia. Educação digital é o primeiro passo para o futuro.

Falta de foco na migração

Veja as palavras que repetimos neste guia: otimização, economia, agilidade, produtividade. A natureza da transformação digital é dar inteligência e eficiência. É mirar o futuro e acelerar até ele.

Por isso, é quase um paradoxo ver quantos gestores se perdem nesse processo. Muitas vezes, focam mais a solução que os objetivos ou investem em tecnologia sem um plano bem definido.

Pior do que não apostar em transformação digital é achar que se está quando, na realidade, não se está. Sem foco nessa migração, falta visão. Sem visão, as oportunidades perdidas e os erros de migração só ficarão aparentes quando já for tarde demais.

Falta de uma mudança de cultura

No fim, é muito difícil fazer transformação digital se ela não fizer parte da cultura da empresa. Esse ponto é um dos grandes desafios em todo o processo.

Cultura é algo que vai além de conhecimento e planejamento. É um mindset, uma forma de pensar na empresa e no próprio trabalho com prioridade sempre para otimização e tecnologia.

Quando essa cultura contamina todos os colaboradores, a migração para sistemas integrados é muito mais simples e traz melhores resultados. O negócio ganha em comunicação e produtividade, e as decisões a serem tomadas são sempre mais claras.

Como se adaptar à transformação digital?

Já passamos por todos os pontos importantes envolvendo esse conceito: o que é, como impacta, por que é inevitável e quais são seus desafios.

Agora, você tem tudo de que precisa para começar! Portanto, queremos terminar o guia apontando um caminho para seus primeiros passos. Veja como você pode estruturar a base da sua transformação digital.

Fique atento aos sinais que apontam essa necessidade

Além de tudo o que falamos, você deve buscar no mercado as mudanças, tendências e pontos de discussão que vão ajudar a convencer diretoria e colaboradores sobre a necessidade de investir desde já em transformação digital. Entre eles, estão os seguintes sinais:

  • o negócio demonstra uma necessidade de promover evolução natural para se manter no mercado;
  • o crescimento da demanda do público já não consegue ser acompanhado por modelos tradicionais de produtividade e gestão;
  • a projeção de aquisição de outros negócios e ativos já não parece ser comportada pelo modelo atual do sistema corporativo;
  • a produtividade na empresa é baseada em soluções obsoletas ou de legado;
  • ainda existem muitos processos manuais e grande distanciamento entre departamentos;
  • não há uma plataforma de análise e aprimoramento contínuo de processos;
  • os dados que a empresa consegue coletar e analisar não parecem mais suficientes para tomar decisões compatíveis com o que o mercado faz atualmente.

Estabeleça uma visão precisa sobre os objetivos empresariais

Identificando a necessidade da transformação digital, é hora de definir o que você quer dela. Quais são os objetivos do negócio do curto ao longo prazo? Como vocês querem se posicionar nesse novo mercado?

Os objetivos funcionarão como uma bússola que impede a falta de foco que citamos entre os desafios. A partir deles, o planejamento de transição fica muito mais claro e fácil de fazer.

Entenda como funciona a estrutura da empresa

Um levantamento do cenário atual de produtividade e gestão será fundamental para entender e priorizar os problemas a serem atacados no processo.

É nesse momento que você identifica as oportunidades, os gaps mais importantes a serem cobertos e em que áreas o investimento será mais crucial.

Defina qual o cenário esperado sobre a inovação

Projetar o futuro ajuda a definir quais são os indicadores de performance a serem analisados e o resultado esperado deles no futuro.

Se a transformação digital tem tudo a ver com inteligência de dados, você vai precisar deles para determinar a própria performance desse processo.

Quando buscamos otimização, o equilíbrio entre investimento e retorno é um ponto-chave. Quem sabe aonde quer chegar consegue analisar melhor a evolução de suas ações quando olha para trás.

Inclua todos os colaboradores

Já falamos sobre isso, mas vale reforçar: transformação digital é um processo que abrange toda uma empresa, cultural e operacionalmente.

Portanto, não dá para esperar que uma ação da diretoria seja suficiente para trazer o negócio para uma nova era. É preciso que todos os funcionários, parceiros e terceirizados comprem a ideia e a levem para suas rotinas.

Busque ajuda de fora

Falando em parcerias, contar com ajuda especializada durante a migração para sistemas integrados é uma boa garantia de que a sua transformação digital acontecerá como você imagina.

A questão não é apenas escolher as melhores soluções tecnológicas, mas aquelas que melhor se encaixem nas expectativas da empresa, na sua forma de trabalhar e no orçamento disponível.

Quem tem contato há anos com esse processo tem mais experiência para traçar o melhor caminho. Uma consultoria não é má ideia nesse momento.

Busque soluções eficientes baseadas em tecnologia

Não há como fugir desta verdade: mesmo com uma cultura de inovação e com um bom planejamento, o sucesso da sua empresa no futuro está muito atrelado às soluções tecnológicas que você implementar.

Por isso, não dá para apostar errado. É preciso, primeiro, escolher o melhor ERP para o negócio e, a partir daí, as ferramentas e ativos-satélite, que vão complementar e proteger o seu sistema.

Resumindo toda esta nossa conversa, podemos definir o que é, em seu cerne, a transformação digital: um novo modelo de estruturação e gestão baseado em tecnologia.

Mas, além disso, é uma nova cultura. É usar soluções tecnológicas para encurtar caminhos, criar experiências e promover a verdadeira colaboração total dentro de um negócio.

Mas esta não é uma discussão que para por aqui. É hora de expandir o assunto para colegas e colaboradores e planejar, de uma vez por todas, a inclusão da sua empresa nesta nova era. Compartilhe o post nas suas redes sociais!

Posts relacionados

6 thoughts on “Transformação digital: qual a importância e quais são seus maiores impactos?

Deixe um comentário